Laura Bacellar

Meu nome é Laura Bacellar e trabalho no mercado editorial desde 1983. Sou formada em editoração pela ECA/USP e amo livros. Para saber mais, vá na aba "Quem Somos" do menu principal.

18 comentários até agora

  1. Angelica
    23 de abril de 2016 @ 21:57

    Oi Laura, tudo bem? Em relação aos direitos autorais é claro que você está falando de obras as quais os autores estejam vivos ou morrido a menos de 70 anos.
    Minha dúvida é sobre os livros escritos em língua estrangeira que já estejam em domínio público. Qual seria o melhor caminho neste caso? Quais são os diretos autorais do tradutor de obras em domínio público?
    Desde já agradeço
    Angélica

    Reply

    • Laura Bacellar
      24 de abril de 2016 @ 17:22

      O tradutor é considerado autor de seu texto, portanto uma tradução só pode ser utilizada comprando-se os direitos ou se o tradutor também estiver morto há pelo menos 70 anos.
      A obra em domínio público pode ser traduzida por quem tiver vontade, vejam-se as muitas versões de Shakespeare, Voltaire, Jack London etc. Se vc fizer uma tradução, terá direitos sobre seu trabalho.

      Reply

  2. Celso
    29 de julho de 2016 @ 14:44

    Oi Laura boa tarde. É preciso ter expertize em ingles no caso de traduzir do ingles para portugues? tenho alguns cursos, mas nunca morei fora e meu entendimento e escrita é ruim por que nao pratico, mas meu conhecimento tecnico é bom, tanto do ingles como da area que pretendo traduzir. Estou querendo traduzir obras de homeopatia que conheço bem tecnicamente. Obrigado

    Reply

    • Laura Bacellar
      2 de agosto de 2016 @ 13:16

      oi Celso,
      se vc não entende inglês perfeitamente, é arriscado traduzir. Melhor contratar alguém para fazê-lo e vc fazer a revisão técnica. Mas se vc entende do assunto, por que não escreve diretamente um texto seu, usando obras estrangeiras apenas para citar uma frase ou outra? Melhor criar do que copiar…

      Reply

  3. Nilce Silva
    26 de agosto de 2016 @ 17:11

    Olá Laura,
    Boa Tarde,
    Estou traduzindo As Cartas de Ernest Hemingway, posso pública-las no meu Blog, preciso adquirir direito de publicação nesse caso? (publicação em Blog).
    Obrigada

    Reply

    • Laura Bacellar
      27 de agosto de 2016 @ 10:08

      Nilce,
      não é pelo fato de ser em blog que faz diferença, mas no caso de Hemingway vc pode porque ele está em domínio público.
      um abraço e boa sorte!

      Reply

  4. esdras dias pereira
    31 de janeiro de 2017 @ 22:24

    Laura, escrevi um livro e gostaria de traduzi-lo do português para o inglês, para colocar outra versão na Amazon. Qual caminho a seguir? Tem alguma indicação?

    Reply

    • Laura Bacellar
      1 de fevereiro de 2017 @ 13:08

      olá Esdras,
      se o livro é seu, o procedimento é o mesmo que com seu texto em português, não há problema algum.
      O difícil é divulgar uma obra em outra língua, vc precisa agitar para que as pessoas se interessem pela sua obra. Dê uma pesquisada em como fazer marketing digital, a própria amazon tem dicas. Um monte de brasileiros já fez isso, a amazon tem muitas obras traduzidas do português.
      super boa sorte

      Reply

      • esdras dias pereira
        1 de fevereiro de 2017 @ 13:19

        Obrigado pela resposta Laura, mas eu preciso mesmo é saber quem pode traduzir para mim. Você teria alguma dica?

        Reply

  5. Laura Bacellar
    1 de fevereiro de 2017 @ 13:32

    olhe, há centenas de tradutores que fazem versão do português para o inglês. Este aqui, por exemplo, me parece muito bom:
    http://www.lamensdorf.com.br/servicos.html
    Vc tem que checar se a pessoa tem experiência com o seu tipo de obra. Verifique também com os clientes do profissional para ter certeza de que gostaram do serviço.
    Procure online e cheque no máximo de lugares os comentários sobre o profissional.

    Reply

    • esdras dias pereira
      1 de fevereiro de 2017 @ 20:54

      Muito obrigado Laura
      Vou tentar
      abraços

      Reply

  6. Adriana Robles
    26 de março de 2017 @ 20:02

    Olá Laura!
    Agradeço enormemente este artigo.
    Minha dúvida é: Quero mais livros infantis em espanhol e inglês. Quero distribuir eles. Principalmente em espanhol.
    Eu gostaria de achar uma editora que esteja disposta a traduzir seus livros a espanhol e ingles para eu vender estes, eu poderia traduzir.. nunca fiz, mas se é preciso eu aprenderia a fazer isto.
    Já contatei várias editoras internacionais e o envio é muito caro. Compensa.. mas a largo prazo.
    Você teria algo pra me dizer sobre isso?
    Muito obrigada <3

    Reply

    • Laura Bacellar
      26 de março de 2017 @ 20:55

      olá Adriana,
      acredito que as editoras não traduzam porque as vendas não compensem os custos de tradução e produção. Creio que seja mais fácil vc pesquisar uma forma de importar os livros.
      um abraço

      Reply

  7. Henrique Nobre
    26 de maio de 2017 @ 16:06

    Olá Laura!

    Obrigado pelos esclarecimentos. Me ajudaram bastante.
    Tenho domínio do inglês para traduções em português e ao longo da vida já traduzi diversas áreas técnicas para trabalhos acadêmicos de terceiros, para parentes ou para mim mesmo. Inclusive traduzi alguns livros e ainda não os apresentei a editoras.

    Minha dúvida é um terceiro caso que você não aventou: devo procurar primeiro o detentor do copyright para saber do seu interesse na tradução e, se sim, daí procurar uma editora, ou devo procurar a editora como você disse e torcer para ela se interessar e assim contatar o detentor?

    Me parece lógico que eu procure o detentor e daí a editora. Se ela não tiver interesse na tradução, não vai procurar o detentor, certo? Ou errado? A editora faria o contato só por desencargo de consciência comercial?

    Se a editora descobre que o detentor tem interesse (mas ela não), o que ocorre? É comum as editoras mudarem de ideia nesta situação? (Eu sei que também depende da avidez do mercado pelo livro. Minhas traduções são técnicas e portanto para um público específico. Nenhuma delas seria um best-seller de público geral, mas podem ser campeãs de venda na área de conhecimento do livro, ainda mais que não existem no Brasil publicações em variedade e qualidade como as estrangeiras que traduzi e quero traduzir. Além disso tenho amigos doutores e especialistas nas respectivas áreas que são meus revisores técnicos quando tenho dúvidas. Tenho pós-graduação (em que não é relevante para esta discussão)).

    A editora me informará do interesse do detentor mesmo se ela não mudar de ideia, ou vai esconder de mim que o procurou e que ele tem interesse?

    Acho que o melhor é que a proposta de tradução deva começar pelo detentor. Afinal, tudo depende dele.

    Se ele não tiver interesse, economizarei muito tempo, esforço e dinheiro indo atrás de editoras para apresentar a proposta e convence-las, além de não ter que esperá-las fazer o contato.

    Se o detentor tiver interesse, terei um argumento a mais e muito forte ao procurar a editora. E terei poupado a ela o tempo, esforço e dinheiro de contatar o detentor para aquela informação.

    O que acha e ou sabe sobre tudo o que expus a respeito dessa terceira linha de como propor tradução? (as outras duas são, segundo você: 1) cópia completa do livro com a página de créditos + carta + amostra da tradução para uma editora; 2) adquirir os direitos de publicação no Brasil + procurar editora ou publicar por minha conta).

    Em momento algum quero ficar à frente da editora nem atropelar o andamento normal do procedimento editorial que você conhece tão bem, muito menos ganhar mais dinheiro do que a editora.

    Só vejo como melhor a alternativa de procurar uma editora antes de procurar o detentor se existir um acordo velado entre detentores e editoras de não responderem diretamente a proponentes de tradução se estes não forem uma outra editora. Isso existe? (Parece ingenuidade eu perguntar sobre isso que, se existe e é velado, não pode ser revelado ao público, mas tenho que perguntar… rsrsrs).

    Desculpe se ficou longo, mas eram muitas questões entrelaçadas.

    Reply

    • Laura Bacellar
      27 de maio de 2017 @ 12:20

      olá Henrique,
      nope, primeiro a editora. Todo autor quer ser traduzido, vc não gostaria se algum ucraniano o contatasse perguntando se vc deseja ver sua obra traduzida e publicada no país dele?
      Não é argumento para a editora. A editora precisa resolver se quer investir (bastante) dinheiro no adiantamento dos direitos autorais e no pagamento da tradução, além dos custos de produção usuais. Se não houver editora interessada em bancar, o livro não vai para a frente.
      Sim, muitos autores só respondem a editoras, porque tem muito maluco no mundo…
      Se vc não pretende bancar a tradução e lançar o livro por sua conta, quem deve fazer o contato e negociar é a eventual editora.
      Expliquei?

      Reply

      • Henrique Nobre
        28 de maio de 2017 @ 13:37

        Explicou de forma clara, direta e objetiva.
        Obrigado.

        Reply

  8. Andressa Nobrega
    27 de maio de 2017 @ 09:53

    Oi, Laura,

    Sou tradutora e quero me especializar em tradução literária. Já traduzi três livros para uma agência americana, mas quero prospectar novos clientes. Você conhece editoras que contratam tradutores?

    Obrigada!

    Reply

    • Laura Bacellar
      27 de maio de 2017 @ 11:33

      olá Andressa,
      todas as editoras que traduzem contratam tradutores, em esquema freelancer.
      Mande currículos e exemplos de seu trabalho às editoras que publicam livros semelahtnes aos que vc fez.

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *